HI-FI RUSH: Jogo do XBOX chegou com os dos pés na porta do PlayStation 5

Recorte de cutscene de Hi-Fi Rush / Reprodução / Tango Gameworls

Em uma semana tão conturbada e cheia de lançamentos como esta última que tivemos (com Rise of the Ronin e Dragon´s Dogma 2, por exemplo), conseguimos ver o ressurgimento de um jogo que causou uma relevante comoção no início do ano passado, se apresentando mais uma vez como um imponente player no patamar dos jogos de ação!


Hi-Fi Rush, jogo lançado em 2023 e desenvolvido pela Tango Gameworks (saga The Evil Within), fez parte da primeira leva de jogos exclusivos do XBOX que passaram por uma estratégia de multiplataforma formulada pela própria Microsoft, permitindo que este e demais jogos (como Grounded e Sea of Thieves) sejam aproveitados por mais jogadores. Sua estreia no console mais recente da Sony, o PlayStation 5, aconteceu nesta última segunda-feira (dia 18 de Março), o que serviu como uma segunda vida ao jogo!


Trailer de lançamento de Hi-Fi Rush para PS5 / Reprodução / Youtube / Bethesda

Para quem não conhece a jornada do jogo até aqui, eis um resumão: Durante a Developer’s Direct do XBOX de 2023 (Não a de 2024, que nós já cobrimos aqui no blog), a Tango Gameworks apresentou seu mais novo projeto: Hi-Fi Rush, um jogo do gênero de ação, com jogabilidade baseada em ritmo e um estilo visual mais "cartunesco" e animado (semelhante á Jet Set Radio ou Sunset Overdrive), três pontos essenciais do projeto que raramente seria algo que as pessoas iriam relacionar à desenvolvedora na época, já que seus únicos projetos eram focados em jogos de terror psicológico em terceira ou primeira pessoa, com mecânicas de combate e sobrevivência, além de um visual realista e macabro, como foi o caso de Ghostwire: Tokyo, por exemplo (até porque, o dono da desenvolvedora é ninguém menos do que Shinji Mikami, diretor do primeiro Resident Evil).


O jogo foi apresentado durante a transmissão de forma bem detalhada, abordando diversos tópicos essenciais do seu desenvolvimento, como a jogabilidade, a história e a trilha sonora. Muitas pessoas não tiveram tempo de mensurar a nova vertente da Tango quando tinham tanta informação sendo entregue de uma vez só, pois parecia que o jogo era uma enorme aposta para a empresa, mas ao mesmo tempo parecia estar em desenvolvimento há um bom tempo, pelo estado que o projeto foi apresentado. E então, assim que o jogo foi anunciado, Mikami e John Johanas, diretor do jogo, anunciaram logo em seguida que ele estava pronto e seria lançado no mesmo dia (25 de Janeiro)!


Foto de gameplay de Hi-Fi Rush / Reprodução / Tango Gameworks

Todo o anúncio do Developer’s Direct serviu como uma poderosa aposta no shadow drop do jogo, onde eles jogaram o produto final para as pessoas consumirem e esperou para que a própria experiência de seus jogadores servisse como combustível da sua propaganda, usufruindo da comunicação "boca-a-boca" para transmitir a mensagem do jogo aos próximos consumidores. Além disso, o jogo tinha exclusividade no XBOX e foi disponibilizado na Gamepass, um serviço que te permite jogar um catálogo de centenas de jogos por um preço mensal fixo tanto nas plataformas da XBOX quanto no PC, então a disponibilidade do jogo foi bem planejada, mas sua relevância teria que ser conquistada.


Para completar, Forspoken, o jogo da Square Enix que já havia sido anunciado e estava sendo aguardado por uma grande quantidade de fãs há anos, foi lançado no dia anterior ao Developers Direct para todas as plataformas recentes, o que certamente iria tirar o foco de qualquer outro jogo importante naquela semana, muito mais de um que mal teve um campanha de marketing! O jogo tinha recebido algumas análises negativas pelos influenciadores que testaram o jogo antes de seu lançamento por conta de vários bugs e um mundo aberto vazio e com missões repetidas, mas muitos jogadores ainda foram querer testar o jogo para ver se era ruim mesmo, o que dificultaria ainda mais a competição para Hi-Fi Rush.


O lançamento de Forspoken, o shadow drop, a mecânica de ritmo e o passado da desenvolvedora (por nunca terem feito um jogo deste gênero antes) poderiam ter sido os principais fatores para a queda do jogo no esquecimento (ou pior, no pódio dos piores jogos do ano), mas por sorte, este não foi o caso! Hi-Fi Rush foi um sucesso de vendas, enquanto que Forspoken entrou para o pódio mencionado anteriormente por conta de tudo o que citamos, mas principalmente por ter trazido uma história que beira o genérico e personagens com síndrome de diálogo hollywoodiano recente (com muita lacração envolvida no meio).


Cartaz de Forspoken / Divulgação / Square Enix

No fim, a jogada da Tango Gameworks deu certo, mas muito deste sucesso se vale pelo carinho que os desenvolvedores tiveram em criar um jogo excelente, trazendo consigo vários motivos para ser tão aclamado: Uma jogabilidade fácil de se compreender, divertida de se jogar e que vale a pena gastar algumas horas para ser dominada; Uma trilha sonora de rock exemplar e dinâmica; Uma história simples e direta, porém cativante e animada; Personagens carismáticos e marcantes; Modos de jogos diversos e uma recorrente gama de atualizações gratuitas serviram para elevar ainda mais uma experiência magnífica que ninguém esperava que ela fosse se tornar, e todo o alvoroço do começo marcou o jogo como sendo uma das maiores surpresas para o ano de 2023! (Mal sabíamos nós que teríamos muito mais pela frente, como Baldur 's Gate 3, mas aquele foi realmente um tremendo pontapé inicial).


Agora, com a chegada do jogo nas plataformas da Sony, podemos ver os frutos de sua colheita ao chegar no console na sua versão definitiva e com um preço em conta (se comparado com os demais lançamentos da semana, que estão custando mais de 300 reais cada), enquanto que outros jogos aguardados para este mês já não estão com um bom visual na mídia (como Rise of the Ronin, que já recebeu críticas pela enorme quantidade de acessórios e armamentos desnecessários que rapidamente lotam seu inventário, pelo seus gráficos “ultrapassados” ou por seu mundo aberto pouco inspirador; Ou Dragon’s Dogma 2, que já está sendo boicotado por suas diversas microtransações e seu péssimo desempenho nos PCs). Hi-FI Rush se apresenta como uma experiência divertida e cativante do começo ao fim, te permitindo jogar, sentir e ouvir um dos melhores projetos do universo dos games dos últimos anos.


Arte promocional de Hi-Fi Rush / Divulgação / Tango Gameworks

Em Hi-Fi Rush, você segue a história de Chai, um adolescente levemente arrogante e autoproclamado rockstar. Ele decide passar por uma cirurgia experimental que o transforma em um ciborgue, mas por conta de um erro “não tão” fatal que acoplou seu dispositivo de música no meio desta bagunça, ele agora interage e percebe seu universo de forma rítmica, através de uma sinestesia ambiental (resumindo, ele e o universo se movimentam de acordo com a batida da música). Agora sendo considerado como um “defeito”, Chai deve batalhar para sobreviver a uma enorme frota de robôs e acabar com os chefes dos diversos departamentos executivos da corporação que o deixaram assim, e para isso, ele vai unir forças à uma poderosa equipe de desajustados que estão buscando por mistérios e conspirações da empresa que um dia também já os ajudou.


Espero que tenham gostado desta novidade! Vocês já tiveram a chance de jogar Hi-Fi Rush? Se sim, conseguiram passar do modo Mestre do Ritmo? Algum destes jogos te interessou mais para esta semana? E qual a opinião de vocês sobre Forspoken? Comente conosco nos comentários e não deixe de nos seguir nas nossas redes sociais!


HI-FI RUSH já está disponível para PS5, XBOX Series X e Series S, Gamepass e PC


Postar um comentário

0 Comentários